CONCERTO DE LANÇAMENTO
DE "O VIOLINO D' ORPHEU", DE RUY COELHO
com a participação de Alexander Stewart (violino)
e Philippe Marques (piano)

15 DEZ 2015 | 17h30



RUY COELHO (1889-1986) foi o único compositor a conviver proximamente com as figuras mais proeminentes da geração da revista Orpheu, marco indelével na história do modernismo em Portugal. Para além de as obras constantes deste registo discográfico serem representativas da época em que partilhava ambições e desilusões com Mário de Sá-Carneiro, Fernando Pessoa, Almada Negreiros, Santa-Rita Pintor, Amadeo de Souza-Cardoso ou Eduardo Vianna, entre outros, testemunham ainda o rápido amadurecimento e o espírito intrépido com que começou a sua carreira como compositor depois do período de estudos em Paris e em Berlim (1909-1913), onde contactou com Engelbert Humperdinck, Max Bruch e Arnold Schoenberg com o apoio de alguns amigos e de António Augusto Carvalho Monteiro, idealizador e proprietário da Quinta da Regaleira, em Sintra.

PROGRAMA
Ruy Coelho (1889-1986)
- Sonata para piano e violino n.º 1, Op. 1 (1909-1912)
- Sonata para piano e violino n.º 2, Op. 5 (1916)

——

Alexander Stewart | violino

Nasceu em Londres em 1964 e iniciou os estudos de violino com o seu pai, Walter Stewart. Viveu durante algum tempo em Portugal, onde estudou com Maxim Jacobsen e Vasco Barbosa. Em 1976 regressou a Inglaterra onde recebeu uma bolsa de estudo para frequentar a King's School Canterbury, onde trabalhou com Clarence Myerscough e Felix Andriewsky, tendo recebido os seguintes prémios: Double Top Scolarship (1977-82), dois 1.ºs prémios e dois 2.os prémios da King's School (1978-81), Old King's School Music Prize (1981) e Ryley Music Prize (1982). Foi aluno de Eric Gruenberg na Guildhall School of Music, onde se diplomou em execução e pedagogia de violino (1982). Com uma bolsa do governo polaco, estudou na Academia Musical Szymanovski de Katowice com Aureli Blasczok, Stanislaw Lewandowski e Tadeusz Wronski.

Apresentou-se em vários concertos e recitais em Inglaterra, Polónia e Portugal, incluindo interpretações dos concertos de Bruch e de Sibelius com a Southend Philarmonic Orchestra, de Vieuxtemps com a Orquestra Sinfónica de Jaroslaw (Polónia), de Saint-Saëns com a Orquestra da Rádio Difusão Portuguesa, dirigida por Silva Pereira, assim como recitais no Teatro Nacional de São Carlos e gravações para a RDP e para a RTP. Mais recentemente, refira-se a execução integral dos concertos de J. S. Bach com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, a convite do violinista e maestro Nicolas Chumachenko.

Participou em diversas orquestras de Londres e de Lisboa, tendo-se tornado membro da Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos em 1989. É um dos concertinos da Orquestra Sinfónica Portuguesa.


Philippe Marques | piano

Philippe Marques nasceu em 1991 em Lausana, Suíça. Estudou no Conservatório Nacional, completando o Curso de Piano com 20 valores na classe do professor Hélder Entrudo. Finalizou em 2014 o Mestrado em Música na Escola Superior de Música de Lisboa – instituição onde se licenciou – com a máxima classificação, sempre sob a orientação de Miguel Henriques. Ao longo do seu percurso participou também em masterclasses sob orientação de conceituados professores, entre eles Luiz de Moura Castro, Sequeira Costa, Artur Pizarro e Dmitri Alexeev.

Tem vindo a actuar regularmente nos mais prestigiados auditórios do país e tem participado em recitais gravados pela Antena 2, incluindo um ciclo de três recitais dedicados à apresentação pública da integral das sonatas para piano de João Domingos Bomtempo. Como solista, apresentou-se em Março de 2011 com a Orquestra da Escola Superior de Música de Lisboa, sob a direcção do maestro Vasco Pearce de Azevedo, interpretando o primeiro concerto para piano de Franz Liszt. Em 2012 deu concertos a solo em Paris e na Califórnia com obras de Fernando Lopes-Graça, António Fragoso, Chopin, Scriabin, entre outros. Em 2014, para além de recitais em Paris, participou igualmente numa digressão ao Brasil apoiada pela Direcção Geral das Artes / Governo de Portugal e organizada pelo MPMP, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa, tendo-se apresentado em alguns dos principais palcos de cinco cidades – dos quais se destaca o Centro Cultural de São Paulo –unicamente com música de compositores portugueses. No âmbito da mesma digressão, gravou para três rádios brasileiras e, juntamente com o pianista Duarte Pereira Martins, um programa para a TV Brasil.

Já colaborou com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa e é membro do Ensemble MPMP. Já estreou obras de vários compositores portugueses e estrangeiros, de entre os quais se destacam Edward Luiz Ayres d’Abreu, Nuno da Rocha, Daniel Moreira, Francisco Tavares e Eli Camargo Jr.. Colabora regularmente com músicos como Jan Wierzba, Alberto Roque, Alexander Stewart, Tamila Kharambura, Tiago Oliveira, Duarte Pereira Martins, Isa Antunes e Nuno Cardoso, entre outros.

Os seus últimos projectos incluem a gravação da integral das sonatas para piano de João Domingos Bomtempo, num total de quatro CDs, bem como de obras de câmara de Ruy Coelho, ambos para a colecção melographia portugueza (edições MPMP).

——

Local: Palácio - Sala da Renascença.
Entrada para o concerto a partir das 17h15 pelo portão do Palácio.

Acesso: Entrada livre mediante inscrição prévia (até ao limite da capacidade da sala).
Contactos: Tel: 219 106 650 | secretariado@cultursintra.pt

Contacto para mais informações:
Edições MPMP
Edward Luiz Ayres d’Abreu | Presidente da Direcção
edward@mpmp.pt
www.mpmp.pt

——

Imagem: Amadeo de Souza-Cardoso. Trou de la serrure PARTO DA VIOLA Bon ménage Fraise avant-garde, c.1916. Col. CAM/Fundação Calouste Gulbenkian. Fotografia de Paulo Costa.